terça-feira, 26 de setembro de 2017

Fracasso


não senti a falta do vento nos pelos
a escuridão pesando nos poros
nem o vazio do ar quando deixei
num impulso sem capacete o foguete
só pra te ver lá de cima em silêncio

não finquei minha bandeira em solos
descobertos de planetas sem água
nem fogo nem foto de registro para
os arquivos

não enlouqueci solitária por meses e meses
nem dancei nos braços da estratosfera, salva
pela gravidade que como você
também não estava.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Soneto breve

Não queria escrever sobre si própria,
Nem tampouco sobre os dramas da família.
Desejava, isso sim, o dom da fábula
Para além dos pensamentos paranoicos.

Mas morreu com o poema entalado
Em silêncio, corroendo o seu corpo

(sanidade é uma coisa curiosa:
se esvai como se fosse, não estando).

segunda-feira, 1 de agosto de 2016


Que seja leve o luto
Leve a dor aguda
e a memória
oca

Que tenha nascido comigo

essa força
e o riso
e esse olhar para o mundo

Que eu jamais tenha precisado dele

Que ele nunca nem tenha existido

E eu levaria a vida

Leve
O ar sem esse peso
Morto

quarta-feira, 22 de junho de 2016



Ferida, talho, rasgo
Desacordo íntimo e cósmico

Acontecem cúpulas transnacionais
revoluções industriais
guerras mundiais
aqui dentro

E ninguém fica sabendo

terça-feira, 21 de junho de 2016


A colônia de formigas
fura a madeira oca –

lá de dentro não sai nada.

Aridez originária,
vastidão esfacelada pelo piso frio.

Queria saber se existe a palavra ataranto,
mas não encontro o dicionário.

Meu fantasma faminto tem sede
de pranto,
meu grito calado me arranca
por dentro:

                                                                       
*continuo sendo
"sou* uma solidão nua amarrada a um poste"

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

sentada lendo você
descubro, enchendo
de molho o quibe
pra disfarçar o gosto
de carne que há muito
não sinto, que o Vasco foi
rebaixado o Eurico assumiu a cul-
pa o Corinthians é amado pela fiel e
o que eu mais queria nesse agora o
que eu queria mesmo era explo-
dir descaralhar cada centímetro
cada um no seu quadrado
cada braço pendurado
no seu galho mas
não posso esti-
lhaço mas
não passo
estou sentada
lendo você

                                                                                 (para Annita)