quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Soneto breve

Não queria escrever sobre si própria,
Nem tampouco sobre os dramas da família.
Desejava, isso sim, o dom da fábula
Para além dos pensamentos paranoicos.

Mas morreu com o poema entalado
Em silêncio, corroendo o seu corpo

(sanidade é uma coisa curiosa:
se esvai como se fosse, não estando).

segunda-feira, 1 de agosto de 2016


Que seja leve o luto
Leve a dor aguda
e a memória
oca

Que tenha nascido comigo

essa força
e o riso
e esse olhar para o mundo

Que eu jamais tenha precisado dele

Que ele nunca nem tenha existido

E eu levaria a vida

Leve
O ar sem esse peso
Morto

quarta-feira, 22 de junho de 2016



Ferida, talho, rasgo
Desacordo íntimo e cósmico

Acontecem cúpulas transnacionais
revoluções industriais
guerras mundiais
aqui dentro

E ninguém fica sabendo

terça-feira, 21 de junho de 2016


A colônia de formigas
fura a madeira oca –

lá de dentro não sai nada.

Aridez originária,
vastidão esfacelada pelo piso frio.

Queria saber se existe a palavra ataranto,
mas não encontro o dicionário.

Meu fantasma faminto tem sede
de pranto,
meu grito calado me arranca
por dentro:

                                                                            (MEU PAI MORREU)


"sou* uma solidão nua amarrada a um poste"
*continuo sendo

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

sentada lendo você
descubro, enchendo
de molho o quibe
pra disfarçar o gosto
de carne que há muito
não sinto, que o Vasco foi
rebaixado o Eurico assumiu a cul-
pa o Corinthians é amado pela fiel e
o que eu mais queria nesse agora o
que eu queria mesmo era explo-
dir descaralhar cada centímetro
cada um no seu quadrado
cada braço pendurado
no seu galho mas
não posso esti-
lhaço mas
não passo
estou sentada
lendo você

                                                                                 (para Annita)

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

no futuro, haverá um prêmio com meu nome,
homenagem aos maiores procrastinadores do ano
por estado da federação.
os contemplados ficarão felizes
e se sentirão honrados
e se lembrarão daquela que, por décadas a fio,
foi impelida por mágica força a
limpar as cutículas até sangrar os dedos
passar cola no rosto pra postar no instagram
pesquisar no google o motorhome mais barato,
em vez de simplesmente
sentar a bunda na cadeira
e escrever o poema